“O jeito mais fácil é Cadáfi”

link para o jornal :Líbia, Kadaffi e linguagem

Minientrevista
por Pedro Perini-Santos

Qual a origem do idioma árabe?

As primeiras inscrições em árabe arcaico remontam ao século IV antes da Era cristã. É um idioma semítico, assim como o hebreu e o aramaico. O advento da religião islâmica por volta de 620 d.C. e a sua propagação fizeram com que em poucas décadas uma família de línguas faladas por alguns grupos errantes do Saara passasse a ser utilizada, agora no formato koiné, no Oriente Médio e nas regiões mediterrâneas da África, da Espanha, de Portugal e da Itália. Koiné quer dizer língua derivada da fusão de línguas-irmãs.

Quais são as versões do idioma árabe?

O que se assume é que se escreve em fus’ra, i.e., em (árabe) clássico ou corânico, e se fala em dialetos derivados, como o sírio-libanês, o argelino, o marroquino, o líbio, o sudanês etc.

Quais são as principais obras de referência gramatical do idioma árabe?

O fus’ra é a língua do Corão, texto fundante da religião islâmica. Pelo menos parte de sua exegese é baseada em uma gramática normativa escrita no século VIII chamada al-Kitab; esse livro é referência normativa para o estudo das línguas clássica e atual.

Quais são as principais contribuições do árabe aos idiomas românicos?

Todo e qualquer contato linguístico gera algum tipo de troca entre os idiomas. A expressão árabe burtugali ou burtucali, que se refere à fruta e à cor laranja, por exemplo, tem origem na palavra Portugal, “al-Burtugal”, onde, possivelmente, se conheceu a fruta. Para o português, me parece que o fenômeno é semelhante.

Qual seria a grafia mais leal ao português do nome Kadafi?

Três aspectos devem ser considerados. Primeiro: quanto mais próximo for do jeito que as pessoas falam o árabe, melhor. Segundo: a gama sonora e a forma gráfica do árabe são bem diferentes da nossa expressão sonora e escrita. Terceiro: vale considerar, portanto, o que é mais fácil para nós. Eu creio que o jeito mais fácil é Cadáfi, mas costuma-se colocar a letra ‘k’ para indicar que o nome é estrangeiro. Não me parece necessário.

Anúncios

Sobre Pedro Perini-Santos

linguista.
Esse post foi publicado em Artigos, Artigos sobre linguística. Bookmark o link permanente.

2 respostas para “O jeito mais fácil é Cadáfi”

  1. Fidelis disse:

    Totalmente excelente e esclarecedor!
    Abç
    Fidélis

  2. VINICIUS disse:

    Pedro adorei o papo online, me fez bem também. te aguardo

    ouve aí sous le ciel de paris que é pra celebrar

    http://www.myspace.com/carlosfernandonogueira

    abraços.Vinicius.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s